Prova Diagnóstica 3 Ano 2018

November 6, 2018 | Author: Elga Christiany Campos | Category: Potato, Volleyball, Love, Languages
Share Embed Donate


Short Description

DIAGNÓSTICA MÉDIO...

Description

CÓDIGO DA PROVA: 4102209 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUPERINTENDÊNCIA DE AVALIAÇÃO EDUCACIONAL DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2018

Prezado Estudante,

Você está participando da Avaliação Diagnóstica de Língua Portuguesa. Você deverá demonstrar os conhecimentos aprendidos nos anos que já cursou. Com os resultados, os professores irão planejar e desenvolver as atividades escolares. Por isso, responda a todas as questões com bastante atenção. Cada questão tem somente uma resposta correta. Marque a sua resposta em cada questão e depois transcreva -a para a Folha de Respostas. No quadro ao final desta página, preencha os dados de identificação de sua prova. Bom trabalho!

Escola:

Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA

Professor:

Ano: 3º Ano

Nome do aluno:

Resultado:

 

Turma:

FOLHA DE RESPOSTAS DA PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA

 Antes de entregar a Prova, confira se marcou todas as suas resp ostas corretamente. Verifique se preencheu o cabeçalho da prova.

01)

A

B

C

D

10)

A

B

C

D

19)

A

B

C

D

02)

A

B

C

D

11)

A

B

C

D

20)

A

B

C

D

03)

A

B

C

D

12)

A

B

C

D

21)

A

B

C

D

04)

A

B

C

D

13)

A

B

C

D

22)

A

B

C

D

05)

A

B

C

D

14)

A

B

C

D

23)

A

B

C

D

06)

A

B

C

D

15)

A

B

C

D

24)

A

B

C

D

07)

A

B

C

D

16)

A

B

C

D

25)

A

B

C

D

08)

A

B

C

D

17)

A

B

C

D

26)

A

B

C

D

09)

A

B

C

D

18)

A

B

C

D

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDA A QUESTÃO 1  As regras do voleibol O voleibol é um esporte jogado entre duas equipes numa quadra dividida por uma rede. Existem diferentes sistemas específicos desse jogo. Conforme as circunstâncias, aplicam-se diferentes sistemas ao jogo, cabendo aos participantes escolher a melhor forma de executá-los. O objetivo do jogo é fazer a bola cair no campo do adversário, enviando-a por cima da rede e impedir que isto aconteça no seu próprio campo. Cada equipe dispõe de três toques para devolvê-la à quadra adversária (além do toque no bloqueio).  A bola é colocada em jogo com um saque: o jogador golpeia a bola enviando-a por cima da rede para a quadra adversária. A bola continua em jogo até que caia dentro da quadra, vá para "fora" ou a equipe não a devolva corretamente para a quadra oposta. Somente a equipe que sacou pode marcar um ponto (exceto no set decisivo). Quando a equipe que recebeu o saque ganha um rally, obtém o direito de sacar (no set decisivo também marca um ponto) e seus jogadores mudam de posição, efetuando um movimento de rotação sempre no sentido dos ponteiros do relógio. (http://www.geocities.com/colosseum/bench/8356/regvolei.htm. Acesso em: 23/11/2007.)

QUESTÃO 1 (88049) No trecho “Conforme as circunstâncias, aplicam-se diferentes sistemas ao jogo, cabendo aos participantes escolher  a melhor forma de executá-los” a palavra destacada refere-se a  A)

esportes.

B)

jogos.

C)

participantes.

D)

sistemas.

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDA A QUESTÃO 2 Um arriscado esporte nacional Os leigos sempre se medicaram por conta própria, já que de médico e louco todos temos um pouco, mas esse problema jamais adquiriu contornos tão preocupantes no Brasil como atualmente. Qualquer farmácia conta hoje com um arsenal de armas de guerra para combater doenças de fazer inveja à própria indústria de material bélico nacional. Cerca de quarenta por cento das vendas realizadas pelas farmácias nas metrópoles brasileiras destinam-se a pessoas que se automedicam. A indústria farmacêutica de menor porte e importância retira oitenta por cento de seu faturamento da venda “livre” de seus produtos, isto é, das vendas realizadas sem receita médica. Diante desse quadro, o médico tem o dever de alertar a população para os perigos ocultos em cada remédio, sem que, necessariamente, faça junto com essas advertências uma sugestão para que os entusiastas da automedicação passem a gastar mais em consultas médicas. Acredito que a maioria das pessoas se automedica por sugestão de amigos, leitura, fascinação pelo mundo maravilhoso das drogas “novas” ou simplesmente para tentar manter  a juventude. Qualquer que seja a causa, os resultados podem ser danosos. (VEJA, Doutor Geraldo Medeiros, 1995.)

QUESTÃO 2 (89153)  A frase “Cerca de quarenta por cento das vendas realizadas pelas farmácias nas metrópoles brasileiras destinam-se a pessoas que se automedicam” indica  A) B) C) D)

a opinião do autor sobre um fato. a constatação de um fato pelo autor. o desconhecimento preciso do autor sobre um fato. o levantamento de uma hipótese por parte do autor.

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDA A QUESTÃO 3

QUESTÃO 3 (200594) De acordo com as informações desse sumário, entende-se que  A) B) C) D)

a obra apresenta noções básicas para a compreensão histórica e social da linguagem normativa. a obra procura oferecer aos leitores um conjunto de atividades de conhecimentos gerais atraente e inovador. o livro se destina, em especial, àqueles que buscam o domínio do texto, em sentido amplo, como realidade discursiva. o livro se destina, primordialmente, a professores de línguas que necessitam de contato com a variedade linguística.

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDA A QUESTÃO 4 A salvação da alma Briga de irmãos... Nós éramos cinco e brigávamos muito, recordou Augusto, olhos perdidos num ponto X, quase sorrindo. Isto não quer dizer que nos detestássemos. Pelo contrário. A gente gostava bastante uns dos outros e não podia viver na separação. Se um de nós ia para o colégio (era longe o colégio, a viagem se fazia a cavalo, dez léguas na estrada lamacenta, que o governo não conservava), os outros ficavam tristes uma semana. Depois esqueciam, mas a saudade do mano muitas vezes estragava o nosso banho no poço, irritava ainda mais o malogro da caça do passarinho: “Se Miguel estivesse aqui, garanto que você não deixava o tiziu fugir, gritava Édison. Você assustou ele falando alto... Miguel te quebrava a cara.” Miguel era o mais velho, e fora fazer o seu ginásio. Não se sabe bem por  que a sua presença teria impedido a fuga do pássaro, nem ainda por que o tapa no rosto de Tito, com o tiziu já longínquo, teria remediado o acontecimento. Mas o fato é que a figura de Miguel, evocada naquele instante, embalava nosso desapontamento e de certo modo participava dele, ajudando-nos a voltar para casa de mãos vazias e a enfrentar o risinho malévolo dos Guimarães: “o que é que vocês pegaram hoje?” “Nada”. (...) (ANDRADE, C. D. de. A salvação da alma. In: Contos de aprendiz . R. J.: José Olympio Editora, 1982. p. 13. Adaptado.)

QUESTÃO 4 (274568) Sobre os personagens desse texto, infere-se que  A) B) C) D)

Augusto, o irmão mais velho, corrigia os outros irmãos. Édison era o mais esperto na caça aos passarinhos. Miguel fora o primeiro irmão a sair de casa para estudar. Tito desgostava do ato de caçar passarinhos com os irmãos.

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDA A QUESTÃO 5 Hotel zero-estrela Bunker subterrâneo transformado em albergue permite viver a sensação de uma guerra nuclear 

País neutro? Que nada. Nos anos 70, com a rivalidade entre URSS e EUA correndo solta e o mundo à beira de uma guerra nuclear, a Suíça se considerava um alvo em potencial. Tanto que virou a capital mundial dos abrigos antinucleares: montou uma rede de 300 mil bunkers, capazes de abrigar todos os 7,5 milhões de habitantes do país. Mas, com o fim da Guerra Fria, os abrigos só servem como atrações turísticas. Essa é a ideia do Null Stern Hotel  (Hotel Zero-Estrela), que acaba de ser inaugurado na cidade de Teufen, 100 quilômetros a leste de Zurique. O bunker, que fica 3 metros abaixo do nível do solo, foi projetado para abrigar 202 pessoas – mas agora, como hotel, vai receber apenas 14 hóspedes. Superexclusivo. Apesar do que isso pode sugerir, não há luxo nenhum. Os quartos são coletivos, a temperatura ambiente fica em 15 graus e os hóspedes têm de levar a própria comida (enlatada). “Queremos mostrar que é possível ser feliz somente com o essencial”, diz o arquiteto Patrick Ricklin, que transformou o bunker   em hotel. Apesar desse discurso neo-hippie, sentir o clima de holocausto nuclear parece ser o barato do Null Stern. O albergue é hermeticamente selado e seu sistema de filtros, que elimina as partículas radioativas do ar, faz um barulho alto e constante. As paredes são de concreto fortificado, e o único contato com o exterior é por meio de um circuito de TV. E, para prevenir tentativas de suicídio, os banheiros não têm espelhos – que foram substituídos por  placas de metal. Por incrível que pareça, tem muita gente querendo viver essa experiência: o Null Stern, cuja diária custa R$ 60, já está com as reservas esgotadas até o final do ano. (Super Interessante. Jul. 2009. p. 38.)

QUESTÃO 5 (279018) Em um texto, os nomes utilizados podem referir-se a termos já apresentados ou que estão por vir. No trecho “ País neutro? Que nada”, a expressão em negrito refere-se a  A)

Bunker.

B)

EUA.

C)

Suíça.

D)

URSS.

D)

sumário.

QUESTÃO 6 (283189) Observe a reprodução da página de um determinado livro:

Este livro é dedicado a milhares de pessoas que prestam vestibular todos os anos no Brasil.

(BRANDÃO, S. V. Dez passos para a redação nota dez. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2001.)

Essa página de um livro pode ser nomeada como  A)

agradecimentos.

B)

dedicatória.

C)

prefácio.

QUESTÃO 7 (423436) Esta tirinha apresenta intertextualidade com uma fábula conhecida.

(www.ocaqui.com.br/blog/wp-content/uploads/2010/09/formigas.jpg. Acesso: 22/08/2011.)

Qual dos trechos, retirados da fábula A cigarra e a formiga, confirma a generosidade das formigas?  A) B) C) D)

Abrindo a porta, a formiga viu na sua frente a cigarra quase morta de frio. Puxou-a para dentro, agasalhou-a e deu-lhe uma sopa bem quente e deliciosa. Para cigarra, o que importava era aproveitar a vida, e aproveitar o hoje, sem pensar no amanhã. Para que construir um abrigo? Pura perda de tempo. No mundo das formigas, todos trabalham e se você quiser ficar conosco, cumpra o seu dever: toque e cante para nós. Se não mudar de vida, no inverno você há de se arrepender, cigarra! Vai passar fome e frio. A cigarra fez uma reverência para rainha e continuou.

QUESTÃO 8 (496349)

(http://goo.gl/b8fDn. Acesso: 10/08/2011.)

Infere-se, da análise dos quadrinhos, que o interlocutor de Calvin é a sua mãe devido  A) B) C) D)

à linguagem coloquial usada pelo personagem. à postura tipicamente infantil de gritar pela casa. às frases dos balões relativas a tarefas postergadas. aos clichês previsíveis do comportamento materno.

QUESTÃO 9 (1111224) País das Gerais, sou teu filho. Ninguém sabe quando sou boi, Ninguém sabe quando sou leão. Na planície me sinto triste, Na montanha me sinto alegre.

Duro é saber que estou Lá embaixo, exilado e só, Sentindo a saudade da serra. Na montanha nasci, Por certo na montanha morrerei.

(MOTTA, D. Elegias do País das Gerais. RJ: José Olympio/INL, 1988. p. 57.)

Nesse trecho, o poeta mineiro Dantas Motta amplia o significado das palavras ao  A) B) C) D)

designar seu estado como País das Gerais e estabelecer oposição entre boi e leão. enfatizar que na planície se sente triste e na montanha se sente alegre. imaginar um país dotado de animais inexistentes em seu torrão natal. manifestar apreço pelo lugar em que nasceu em detrimento de outras regiões.

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDA A QUESTÃO 10 As mãos, os pés e o ventre Cheios de inveja, os Pés e as Mãos disseram ao Ventre: — Só você se aproveita dos nossos trabalhos e não faz outra coisa do que receber nossos ganhos sem ajudar-nos no mínimo que seja. Portanto, escolhe uma destas duas coisas: ou encarregue-se você mesmo da sua manutenção, ou morra de fome. Ficou, pois, abandonado o Ventre e, não recebendo comida durante muito tempo, foi perdendo seu calor e ficou debilitado, com o que os demais membros do corpo se enfraqueceram também, foram perdendo as forças até que pouco depois todos eles morreram. (COSTA, F. M. da. Os 100 melhores contos de humor da literatura universal , RJ: Ediouro, 2001.)

QUESTÃO 10 (271113)  A expressão destacada em “foram perdendo as forças até que pouco depois todos eles morreram” refere-se a  A)

mãos.

B)

membros do corpo.

C)

pés.

D)

ventre, mãos e pés.

QUESTÃO 11 (270010)  Amanheci um dia pensando em casar. Foi uma ideia que me veio sem que nenhum rabo-de-saia a provocasse. Não me ocupo com amores, devem ter notado, e sempre me pareceu que mulher é um bicho esquisito, difícil de governar.  A que eu conhecia era a Rosa do Marciano, muito ordinária. Havia conhecido também a Germana e outras dessa laia. Por elas eu julgava todas. Não me sentia, pois, inclinado para nenhuma: o que sentia era desejo de preparar  um herdeiro para as terras de S.Bernardo. (RAMOS, G. São Bernardo. 34ª ed. R.J.: Record, 1979. p.59. *Adaptado: Reforma Ortográfica.)

Depreende-se da passagem do romance São Bernardo , de Graciliano Ramos, uma concepção que o homem tem da mulher e do casamento. Segundo esse conceito,  A) B) C) D)

a dificuldade de governar a mulher predispõe o homem para o adultério. a mulher e o casamento são abstrações que escapam à visão pragmática masculina. o machismo e os interesses econômicos são elementos indissociáveis. o poder masculino propicia larga escala de experiências, independente do amor.

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDA A QUESTÃO 12 “Sem família e sem pátria – nascido na Polônia e naturalizado brasileiro – Samuel Rawet sentia-se, como mesmo declarava e retratava em seus personagens, um vagabundo, um errante, e toda a sua obra, ficcional e ensaística, é uma procura de identidade. Homem culto, como o foi Guimarães Rosa, espírito superior e universalista, do porte de um Jorge Luís Borges e de um Samuel Beckett, exilado num país de fachada dúbia e primária.” (BRASIL, A. Prefácio. In. RAWET, S. Contos do imigrante.2ª ed. S.P.: Ediouro, 197. p.10.)

QUESTÃO 12 (271258) Esse texto fala sobre Samuel Rawet, que publicou Contos de imigrante em 1956, na mesma época que Guimarães Rosa de Grande sertão: veredas. Segundo Assis Brasil, esses autores têm em comum  A) B) C) D)

a busca da identidade. a condição de imigrante. o aperfeiçoamento formal. o caráter universal.

QUESTÃO 13 (271285) I Iria morrer, quem sabe naquela noite mesmo? E que tinha ele feito de sua vida? Nada. Levara toda ela atrás da miragem de estudar a pátria, por amá-la e querê-la muito bem, no intuito de contribuir para a sua felicidade e prosperidade. Gastara a sua mocidade nisso, a sua virilidade também; e, agora que estava na velhice, como ela o recompensava, como ela o premiava, como ela o condenava? Matando-o. E o que não deixara de ver, de gozar, de fruir, na sua vida? Tudo. Não brincara, não pandegara, não amara – todo esse lado da existência que parece fugir um pouco à sua tristeza necessária, ele não vira, ele não provara, ele não experimentara. Desde dezoito anos que o tal patriotismo lhe absorvia e por ele fizera a tolice de estudar inutilidades. Que lhe importavam os rios? Eram grandes? Pois se fossem... Em que lhe contribuiria para a felicidade saber o nome dos heróis do Brasil? Em nada... O importante é que ele tivesse sido feliz. Foi? Não. Lembrou-se das suas causas de tupi, do folclore, das suas tentativas agrícolas... Restava disto tudo em sua alma uma sofisticação? Nenhuma! Nenhuma! (BARRETO, L. Triste fim de Policarpo Quaresma. 9 ed. S.P.: Ática, 1991. p. 151-152.)

Esse texto mostra que a narrativa de Triste fim de Policarpo Quaresma , de Lima Barreto, tem por foco  A) B) C) D)

a crítica severa à condição marginalizada dos imigrantes. as privações e as mazelas da vida dos que vivem em áreas longínquas. o forte e consciente sentimento nacionalista, de caráter crítico. os desajustes sociais, embora esteja preso a ideais ainda românticos.

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDA A QUESTÃO 14 Este texto é um relato sobre baleias. Leia-o.

(Época. Globo, n. 607, 04 jan. 2010.)

QUESTÃO 14 (271757) No trecho “... – alguns deles foram sacrificados...”, a expressão destacada refere-se aos  A) B) C) D)

42 animais. 126 animais. 200 animais. grupos de voluntários e turistas.

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDA A QUESTÃO 15 Os eleitos Representantes de sala são eleitos para defender os interesses dos alunos, e só os dos alunos Elisangela Roxo

Ele entra na sala de aula cumprimentando todo o mundo, mas diz que não é político. "Modéstia à parte, sou legal". Alan Laureano, 19, é representante de classe do curso técnico de Administração da Etesp (Escola Técnica Estadual de São Paulo). Ele diz que o cargo para o qual foi eleito demanda tarefas simples, mas que exigem responsabilidade. "Na base da conversa, a gente consegue praticamente tudo aqui", conta Marcelo Henrique Simoni, 17, vice-representante da mesma sala. Chegar a um acordo nem sempre é tão simples. "Todos querendo coisas diferentes e a gente tem que entrar num consenso", explica Tamara dos Santos, 16, da Etec Albert Einstein, em seu terceiro mandato como representante de turma. Representar é um ensaio sobre cidadania, porque o eleito (ou eleita) será a voz da classe. "A gente fica mais visada, tem que dar exemplo", comenta Janaína Chelotti, 16, do colégio São Luís, em São Paulo. No ano passado, depois de muita negociação, Tereza Broggi Ciardollo, 17, outra representante no São Luís, conseguiu convencer a direção a mudar o calendário de provas porque os alunos queriam ir à festa de formatura da escola.  Ana Jacqueline Kaiser Nunes, 15, da Etec, já foi representante de classe em todas as escolas nas quais estudou. Uma de suas conquistas de outro mandato foi conseguir aumentar o recreio de 15 para 25 minutos. "A gente ficava cinco minutos a mais [na aula] todos os dias para compensar." (www1.folha.uol.com.br. Acesso: 26/04/2010.)

QUESTÃO 15 (274583) No trecho “Ele diz que o cargo para o qual foi eleito demanda tarefas simples, mas que exigem responsabilidade.”, a preposição destacada  A) B) C) D)

está de acordo com a norma padrão. é uma forma de uso coloquial da língua. ocorre por causa do verbo demandar. substitui o pronome 'ele'.

QUESTÃO 16 (274626) Não que esse desconhecimento do português fosse coisa rara na sociedade senhorial brasileira. Pelo contrário. Interessava aos proprietários de escravos que estes pudessem compreender suas ordens. Nada além. Principalmente em se tratando de escravos destinados ao trabalho na lavoura, como era o caso do Pai-Raiol. Essa desconfiança com relação ao “falar africano” do feiticeiro parece apontar, na verdade, em  As vítimas-algozes, para a possibilidade de essa “língua estranha” ser usada como forma de combate, de se combinarem resistências ao senhor ou à sua família. Porque não era só para acompanhar o movimento das enxadas, para ritmar o próprio trabalho de 15 a 18 horas diárias, que os trabalhadores rurais, por exemplo, cantavam os seus jongos, ora num português arrevesado, ora em dialetos africanos diversos. (SÜSSEKIND, F. Estudo introdutório de  As vítimas-algozes, de J. Manuel de Macedo. SP: Scipione, 1991, p. XXXII.)

Esse texto de Flora Süssekind, sobre um feiticeiro negro de  As vítimas-algozes, do romancista romântico Joaquim Manuel de Macedo, põe em discussão a  A) B) C) D)

concepção da língua como forma de resistência à opressão. exploração exorbitante do trabalho dos negros na lavoura. ignorância do africano em relação ao idioma falado pelos brancos. preocupação dos proprietários em relação à cultura dos escravos.

QUESTÃO 17 (405359) Texto II Texto I E então eu imagino se seria possível, fico me perguntando se seria possível um momento, digamos assim, de amor, entre o poeta e a língua, a língua e o poeta. Aí viria a questão de perguntar se pode existir um amor sem sadismo nem masoquismo. Eu não sei. Não sei porque, inclusive, o amor é um sentimento muito recente. Não sei se vocês já se deram conta, mas o amor é uma coisa que nasceu, era um esporte muito praticado pela aristocracia provençal no século XII, o amor, tal qual nós entendemos, o amor idílico, esse amor, por exemplo, sustenta as novelas da Janete Clair, no horário das oito, o amor da foto novela, esse amor presente na nossa vida hoje de um modo quase obsessivo, a tal ponto que chega assim: bem, você será feliz no trabalho e no amor. (LEMISNKI, P. Poesia: a paixão da linguagem . In: NOVAES, A. (org). Os sentidos da paixão. SP: Companhia de Bolso, 2009. p. 330. Adaptado.)

(www.numclique.net/tirinha-aprenda-como-demonstaro-amor-no-twitter/8459. Acesso: 25/07/2011.)

Os textos, embora apresentem o mesmo tema, pertencem a gêneros diferentes. O que mais difere esses textos?  A) B) C) D)

A abordagem do tema: enquanto o texto I busca explicações históricas e filosóficas sobre o amor, o texto II ironiza o amor em tempos de tecnologia. A relação entre quem ama e o objeto amado: no texto I, o poeta se distancia da língua e vice-versa, no texto II, os personagens declaram amor mútuo. O argumento: enquanto no texto I o amor é concebido como algo concreto, real, palpável, no texto II, o amor é visto como efêmero, passageiro. O leitor previsto: o leitor do texto I é, preferencialmente, jovens apaixonadas e o leitor do texto II é, possivelmente, pessoas ligadas à tecnologia.

QUESTÃO 18 (407645) Esta adaptação de um texto de Sônia Hirsch sobre o consumo de carne apresenta uma imprecisão semântica. No mundo antigo só existiam dois tipos de carnívoros, os que comiam carne e os que não comiam. Os primeiros o faziam por razões variadas - absorver a bravura do guerreiro inimigo, permitir que o morto continuasse vivo através da vida dos amigos, matar a fome, honrar os antepassados. Os segundos achavam isso uma abominação, jamais comeriam animais da mesma espécie. (http://sejavegetariano.vilabol.uol.com.br/naocomer.html. Acesso: 03/08/2011. Adaptado.)

Para eliminar a imprecisão semântica desse texto, é necessário  A) B) C) D)

acrescentar a palavra humana em “os que comiam carne humana e os que não comiam”. acrescentar a palavra verdura em “os que comiam carne e os que comiam verdura”. retirar a expressão negritada em “o morto continuasse vivo através da vida dos amigos”. retirar a expressão negritada em: “jamais comeriam animais da mesma espécie”.

QUESTÃO 19 (556405) Dormir e pensar  Cientistas descobriram que há um fator comum às pessoas com sono mais pesado: elas teriam uma maior atividade cerebral durante o período de repouso. Quem dorme mais profundamente – segundo o estudo – produz pulsos de ondas cerebrais mais intensos. Ou seja: diferentemente do que diz o senso comum, quanto mais o cérebro trabalha durante o repouso, mais profunda é a noite de sono. “Essas ondas cerebrais são geradas por uma parte do cérebro chamada tálamo, que é uma espécie de via para a maioria das informações sensoriais”, diz o especialista. E completa: “É provável que o tálamo também impeça certas informações de chegarem a áreas do cérebro que percebem e reagem ao som”. Ou seja: o tálamo – por meio dos pulsos cerebrais que ele produz – seria responsável pelo sono estável. "Quanto mais pulsos, melhor o sono, mesmo quando somos confrontados com ruídos.", afirma o cientista. (http://cienciahoje.uol.com.br/blogues/bussola/dormir-e-pensar. Acesso: 16/09/2010. Adaptado.)

 A frase que mantém o sentido do trecho em destaque no primeiro parágrafo é:  A) B) C) D)

Embora a noite de sono seja profunda, o cérebro continua trabalhando. O cérebro trabalha bem no repouso, ainda que a noite de sono seja profunda. O cérebro trabalha mais durante o repouso para preservar a noite de sono profunda. Se o cérebro trabalha mais durante o repouso, a noite de sono é mais profunda.

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDA A QUESTÃO 20 OS INDIANOS QUE CALCULAVAM Por volta de 1350, indianos da Escola de Kerala identificaram um dos componentes básicos do cálculo: a série infinita, que se acreditava ter sido descoberta no século XVII pelo físico e matemático inglês Isaac Newton e pelo matemático e filósofo alemão Gottfried Leibniz. Foi também na Escola de Kerala que se calculou o valor do número π (pi) com uma precisão de 9,10 e 17 casas decimais muito antes dos europeus. As descobertas são antigas, a novidade é saber quão antigas. Quem desenterrou a matemática do século XIV foi o indiano George Gheverghese Joseph, da Universidade de Manchester, Inglaterra, ao preparar a terceira edição de seu livro The crest of the peacock , a ser publicada em breve. Joseph acredita que os indianos tenham passado seu conhecimento a missionários jesuítas, que o disseminaram pela Europa. A perícia dos matemáticos de Kerala ajudou na astronomia e permitiu o avanço na exploração dos oceanos. (FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Revista Pesquisa FAPESP , São Paulo, n. 139, p. 38, set. 2007)

QUESTÃO 20 (89510) Em “As descobertas são antigas, a novidade é saber quão antigas” , a palavra em destaque estabelece uma relação de  A)

causa.

B)

consequência.

C)

intensidade.

D)

tempo.

QUESTÃO 21 (364991) Mercado ardido (Estado de M inas, 11 abr. 2011, p. 01. Agropecuário.)

Tempero de complicações (Estado de Minas, 11 abr. 2011, p. 03. Agropecuário.)

Desafios apimentados na comercialização (Estado de Minas, 11 abr. 2011, p. 04. Agropecuário.)

Os títulos são, todo os três, relativos à mesma matéria: pimenta. Eles destacam, principalmente,  A) B) C) D)

a dificuldade de cultivo e produção de pimentas. a diversidade de pimentas plantadas em Minas. o consumo desenfreado do sal nas mesas mineiras. o problema dos temperos nas cozinhas de todo o país.

QUESTÃO 22 (406638) Batata doce ou batata inglesa?

Se você pensa que batata é tudo igual, prepare-se para ter uma surpresa. Ao compararmos uma batata convencional com uma batata doce podemos notar que a diferença é bem grande (e, além disso, existem centenas de espécies da batata convencional também). Apesar   de parecidas na forma, os dois tubérculos pertencem à mesma família e ainda têm os mesmos nutrientes. A nutricionista Sandra B. Galindo, especialista em alimentação funcional de Minas Gerais, esclarece que a batata comum, também conhecida como batata-inglesa (Solanum tuberosum) é um dos alimentos mais usados no mundo e realça seu poder nutritivo. “É um carboidrato que funciona como uma excelente fonte energética”, afirma. (http://alimentacao.terra.com.br/noticias/no-trabalho-12/batata-doce-ou-batata-inglesa-316. Acesso: 04/08/2011. Adaptado.)

Existe uma imprecisão semântica nesse texto porque  A) B) C) D)

o uso de afirma indica que há a fala da especialista em alimentação. o uso de apesar  pressupõe a ligação de informações que se opõem. o uso de podemos revela a participação do autor do texto no que diz. o uso de também mostra que a batata é conhecida por alguns nomes.

QUESTÃO 23 (424675) Texto I

Texto II Estas são as estrofes finais da música Você já foi à Bahia?  de Dorival Caymmi.

Estas são as estrofes finais da música Terra, de Caetano Veloso.

Nas sacadas dos sobrados Da velha São Salvador Há lembranças de donzelas, Do tempo do Imperador. Tudo, tudo na Bahia Faz a gente querer bem  A Bahia tem um jeito, Que nenhuma terra tem!

Na sacada dos sobrados Da velha são Salvador Há lembranças de donzelas Do tempo do Imperador Tudo, tudo na Bahia Faz a gente querer bem  A Bahia tem um jeito... Terra! Terra! Por mais distante O errante navegante Quem jamais te esqueceria? Terra! (http://letras.terra.com.br/caetano-veloso/44780/.  Adaptado.)

Acesso:

03/09/2011.

Lá tem vatapá, Então vá! Lá tem caruru, Então vá! Lá tem munguzá, Então vá! (http://letras.terra.com.br/dorival-caymmi/45590/. Acesso: 03/09/2011. Adaptado.)

Os dois textos se relacionam pelo processo de intertextualidade. Nesse processo, os autores demonstram  A) B) C) D)

alegria, marcada pela lembrança da terra natal, local onde viveram. orgulho da Bahia, o que é revelado pelo uso da palavra “imperador”. saudade da Bahia, marcada, principalmente, pela palavra “lembrança”. revolta, pela distância que existe entre os poetas e a terra natal.

QUESTÃO 24 (435529) Consideração sobre o verbo dever . O verbo “dever” tem como uma de suas acepções a característica de “ter de pagar; ter dívidas ou obrigações”. Em qual das alternativas o verbo “dever” segue uma das descrições apresentada?  A) B) C) D)

Já é tarde. A sessão já deve ter terminado. Tudo indica que deve chover amanhã. Você deve comparecer ao guichê às 14 horas. Você trabalhou muito e deve estar cansada.

QUESTÃO 25 (778861)

(http://goo.gl/ZnZxC. Acesso: 22/11/2012.)

Nessa publicidade, as imagens da onça e da sua pegada foram utilizadas com o objetivo de  A) B) C) D)

conscientizar sobre a preservação da fauna presente no Amazonas. promover a ideia de que a boa publicidade utiliza uma linguagem não verbal. relacionar o Festival de Publicidade com os animais existentes no Amazonas. tornar o anúncio adequado ao seu público-alvo, que são as crianças.

LEIA O TEXTO ABAIXO E RESPONDA A QUESTÃO 26

CHUVADOS DETRADICIONAIS TRADIÇÃO OBJETOS – OFÍCIODEENSINADO DEMARCA PAIS REGISTRADA PARA FILHOS  A MODELAGEM E A PINTURA CERÂMICA SÃO DO VALE DO PARAÍBA, SP

Taubaté, a 134 km de São Paulo, ganhou fama graças às cerâmicas modeladas e pintadas à mão. A cidade abriga dezenas de artesãos carinhosamente chamados de Figureiras de Taubaté, porque, embora também existam homens, a predominância é de mulheres. Esses hábeis artesãos representam cenas do dia a dia rural, animais, e elementos do imaginário popular – um dos trabalhos símbolo do grupo é a chuva de pavões. As primeiras peças foram criadas no século XVII, quando os frades franciscanos do Convento de Santa Clara encomendavam presépios para o Natal. A pequena produção foi aos poucos ganhando relevo e, hoje, pode ser encontrada em todo o Brasil, e também em outros países. (DELL'ISOLA, Wilson. Revista Viver Bem. São Paulo, s.n., out. 2007, p. 36)

QUESTÃO 26 (91924) É possível verificar a voz do repórter   no trecho:  A) B) C) D)

A cidade abriga dezenas de artesãos... A pequena produção foi aos poucos... As primeiras peças foram criadas... Esses hábeis artesãos representam...

CÓDIGO DA PROVA: 4102209

View more...

Comments

Copyright © 2017 KUPDF Inc.
SUPPORT KUPDF